Valdir Andres destaca conquistas do movimento municipalista

Governo e entidades entram em acordo sobre propostas da Famurs à Lei Kiss
29 de novembro de 2018
Prefeitos enfrentam dificuldades para legalizar veículos doados pela Receita Federal
29 de novembro de 2018

Valdir Andres destaca conquistas do movimento municipalista

Os prefeitos que participaram da abertura da 17ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios saíram esperançosos com as promessas anunciadas no encontro. Mesmo que a ausência da presidente Dilma Rousseff tenha gerado vaias ao seu representante, o compromisso de votação da PEC dos Municípios pela Câmara dos Deputados e da lei dos royalties pelo Supremo Tribunal Federal (STF) animou os mais de 5 mil gestores municipais que estiveram presentes no evento. Com representantes de 402 municípios gaúchos, o Rio Grande do Sul foi o estado com a maior comitiva de prefeitos, vice-prefeitos, secretários e vereadores.

Para o presidente da Famurs e prefeito de Santo Ângelo, Valdir Andres, a aprovação da PEC dos Municípios não será a salvação definitiva para as prefeituras em crise, mas representa um alívio. “É um alento, mas não resolve a crise dos municípios. É um copo d’água para quem está morrendo de sede. Se não houver providências, caminhamos para um descalabro dos municípios gaúchos brasileiros”, alertou Andres.

Principal item de reivindicação da pauta municipalista, a PEC 39/2013 estabelece um aumento de 2% no valor do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Para os municípios gaúchos, o projeto representa um acréscimo anual de R$ 500 milhões aos cofres das prefeituras. Cartazes com dizeres que reforçavam esse pleito foram erguidos pelos gestores que participavam do encontro durante os discursos de abertura.

Foi então que o presidente da Câmara Federal, deputado Henrique Alves, anunciou a instalação de uma comissão especial para tratar da PEC dos Municípios. O parlamentar também informou que a ministra Carmen Lúcia apresentou relatório sobre a lei dos royalties, permitindo que a matéria seja apreciada pelo Pleno do STF no dia 28 de maio. “O município não é mais o primo pobre da União. É o primo paupérrimo. As prefeituras estão falidas”, afirmou Alves em referência à situação de crise e à necessidade de encaminhamento das duas propostas.

O presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, comemorou os dois anúncios e destacou que a redistribuição dos royalties representa uma receita ainda maior que aumento de 2% do FPM. Ziulkoski garante que uma possível aprovação da lei que tramita no Supremo garante R$ 5 bilhões às prefeituras do País ainda em 2014. Durante sua fala, o presidente da CNM ainda criticou o subfinanciamento de programas federais. “Se não tiver uma mudança do governo federal, nas próximas Marchas viremos devolver esses programas”, previu.

Promovido pela CNM, a Marcha de Prefeitos a Brasília acontece de 12 a 15 de maio no Centro Internacional de Convenções do Brasil (Setor Esportivo de Clube Sul, Trecho 2, conj. 63, lote 50) da Capital Federal. Realizado anualmente desde 1998, o encontro deste ano chega a sua 17ª edição e traz como tema para debate “A crise nos municípios e a conjuntura eleitoral”. Nesta quarta-feira (14/5), ocorre o “Encontro com os presidenciáveis” a partir das 9h. Mais tarde, às 15h, os prefeitos farão o tradicional deslocamento até o Congresso, que justifica o nome do evento. Ao final do dia, às 17h30, será realizada uma reunião de prefeitos com os deputados da bancada gaúcha no Congresso Nacional.

Fonte: FAMURS

Clique aqui para acessar a notícia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 − 2 =